Páginas

segunda-feira, maio 23, 2011
ESQUECIMENTO MALDITO



Lendo o blog de uma amiga querida, li sobre o mal de alzheimer, e pus me a pensar o que faço com a parte adorada da minha rotina. Seria ela tão cruel a ponto de paralisar e degenerar meu cérebro e fazer me esquecer de quem amo? Tenho uma tia que sempre foi dinâmica, tocava bandolim no coral de uma igreja fez curso de confeiteira e fazia bolos esplendorosamentes lindos, quase todos fins de semanas era requisitada para enfeitar um bolo, tinha compromissos com ensaios de músicos, filhos, casa, serviço de banco, levava mãe dela ao médico, corria pra lá corria prá cá. Hoje entristeço me ao vê la quieta sem reconhecer ninguém, sem tocar seu bandolim, sem dar o ar da graça nos bolos que casam nossa família. Seria o mal de alhzeimer tão mal assim com a rotina de alguém?

3 comentários:

C. Says:
06:07

O Mal de Alhzeimer é justamente o inimigo da rotina. É engraçado pensar que justamente a rotina, que nos dá alguma segurança, nos leva a desgraça também. Você colocou bem o assunto.

Vou deixar um belo texto, visto sob a visao poética desse "mal", que é do blog http://seguindooescoardotempo.blogspot.com/search?q=alzheimer

A L Z H E I M E R

"Ruiu a ponte gasta
que me levava à outra margem
e nenhum barco avisto
deste lado do silêncio.
O dia fecha-se num ocaso salino
e a luz desvanece-se
num voo de sombras perdidas
sobre o leito seco da memória.
Como uma estrela decadente
atraída pelo buraco negro do vazio
tombo no fundo cego
de um alçapão de névoas.

Não sei já quem sou
ou aquilo que algum dia fui.
Tudo se desvanece dentro de mim
numa maré de poeira e esquecimento.
Não reconheço nenhum destes vultos
que murmuram nos véus da penumbra
nem o brilho anónimo e distante
dos olhares que se confundem
numa metamorfose de rostos sem feições.

Confuso, vacilo na retina enferrujada
de um labirinto de fantasmas
mendigando o sol exilado
de velhas lembranças que me pertenceram.

Órfão de um passado sem retorno
persigo o cortejo de sombras
nas paredes caiadas de escuridão
por entre a luz que me resta
e ecos que o vento, ocasionalmente,
traz do outro lado da margem
onde completamente me perdi
à procura de mim."

C. Says:
06:13

Maninha, sobre o probleminha do link, se me permite, vou deixar na ordem de como fazer tá:

- entre em seu blog
- vá em "painel"
- em "editar seu perfil"
- em "geral"
- em URL da página inicial
- insira aí o endereço do seu blog
- logo abaixo clique em "gravar o perfil"

Pronto, cheque ver se deu certo!

Beijos!

susi Says:
17:05

Valeu linda...vou tentar.rs

Postar um comentário